quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Lily às escuras


Teclava eu furiosamente um pouco antes da 1 da manhã para terminar um trabalho quando de repente... caput... Caput? Caput agora não, o que é isto pá? E fiquei a olhar para a luz do portátil enquanto tudo ao meu redor estava às escuras. Sim senhora, bonita altura para um apagão (podia dizer simplesmente "faltar a luz", mas assim fica uma situação mais dramática).

E o que fazer quando estamos às escuras no andar de cima? Pegamos no telemóvel e iluminamos as escadas a ver se não nos matamos com algum trambolhão enquanto vamos buscar uma luz alternativa. Apesar de já ter confirmado pela janela do escritório que estava tudo às escuras no exterior (excepto uma zona lá mais ao fundo, raios partam que ali daquele lado havia luz), resolvi ir à varanda porque havia um alarme que teimava em não se calar. Só faltava ser um ataque terrorista e eu com um trabalho para entregar, é que não dava jeito nenhum. Posto isto, fiquei um bocado à espera a ver se a luz voltava. Resolvi desligar o portátil e poupar o resto da bateria, pois não sabia se teria de me ligar ao mundo mais tarde.

Às tantas resolvi ir para a cama, sempre era mais útil. Fez-me falta foi a TV, porque eu gosto de ver o AXN antes de dormir. Estou a tentar adormecer e nisto tudo em casa começa a apitar. É a ups, é o telefone sem fios, é o ar-condicionado, um festival (a luz tinha voltado, daí esta euforia toda). A ups e o telefone já sei que apitam, agora de repente ouvir o a/c a ronronar e a piscar uma luz irritante que se me entrava pelos olhos adentro, isso é que não. E pronto, resolvi levantar-me e ir ligar e desligar os aparelhos para não ficarem a piscar eternamente,

Entretanto o trabalho estava inacabado, claro. Resolvi pôr o despertador para uma hora que até dói só de pensar (7:30, embora só me tenha conseguido levantar às 8:30) para acabar a tradução e avisar o cliente que ia entregar um pouco mais tarde. Lá devem ter ficado a pensar que isto dos apagões é uma boa desculpa para não entregar as coisas a horas.

No final tudo se resolveu, mas cheguei à conclusão que não gosto de ficar totalmente às escuras. Gosto da luminosidade dos números do despertador e da luz do candeeiro lá fora que deixo passar um pouco pela janela, senão só me levanto lá para o meio-dia. Sim, porque não sou como certas pessoas com quem já fui de férias e que me pedem para tapar as horas que estão na TV do quarto de hotel com um cachecol porque "incomodam" (essa não me vou esquecer tão cedo, ó Maguita :D).

8 comentários:

Pedro Oliveira disse...

LOL
As coisas que se podem fazer no escuro.... como é que é possivel não gostar dele??????

Maguita disse...

LOL!! Oh Lily, experimenta teres insónias! Começas a olhar para as luzes dos números e juro-te que o brilho ganha intensidade! Depois ficas obcecada com o néon e já não consegues dormir!

Maguita disse...

B-I-A-T-C-H!

B disse...

Afinal isso não é assim tanto aldeia como pensava,pois,aqui tambem a luz "piscou" duas vezes,mas não chegou totalmente a apagar.O curioso e que toda a minha rua ficou sem luz,mas os predios continuavam com luz... o que é a natureza...
Mas partilho consigo os beeps irritantes,cada piscadela de luz,lá apitou a ups,telefone e apitei eu que me assustei.
Não gosto de estar ás escuras,nem para algumas coisas que o pedro sugere,gosto de ver tudo bem visto ;)

Carla disse...

Alguém me esclarece o que é a ups? Não percebo nada destas coisas tecnológicas

Lily disse...

Quer dizer, se eu falasse no Dr. Rey ninguém ia entender nada mas tu saberias logo quem era. Falo em ups, nesse aparelho mágico que supostamente serve para aguentar o PC ou o monitor ligados durante uns minutos em caso de falta de energia e não sabes o que é. Por falar nisso, acho que preciso de uma nova, pq não me aguentou o monitor ligado. Crap...

A palavra de verificação é: pucaliz

Mais um pouco e era "pocaluz" lol

Não liguem, acho que estou a delirar. Maguita, traz o pão-de-ló

B disse...

pocaluz... lol

Carla disse...

Xiiii, nem sabia que existia tal aparelho. Muito bom. Mas trabalho só com portátil há muitos anos, por isso nem preciso disso. Mas grande ideia, sim senhora.

E o nome é apropriado, "ups, faltou a luz" hehe